Local onde realiza-se o Festival de Bandoneon na Alemanha

Fabrica de Bandoneon na Alemanha, o inicio da historia!

Fundador da Bandoneonfest, Dionisio Trapp, visitando o local do nascimento do instrumento na Alemanha

 

 

Carsfeld, a cidade que deu origem ao bandoneon.

 

 

 

Historia do Bandoneon

Bandoneon teve origem no instrumento Concertina.

Uhlig, mais tarde expandiu o seu instrumento para tocar com 40, 56 ou 78 tons, com botões distribuídos igualmente entre as duas mãos. Estas concertinas chegaram a ter até 128 tons. A fábrica Uhlig cessou as suas atividades em 1871 e produção continuou sob o nome de "F. Lange - Chemnitz ".

Carl Friedrich Zimmerman, no decurso de 1840, melhorou a concertina de Uhlig, aumentando-a em 30-71 o número de botões, sempre com todos os sons independentes.

Em 1848, ele abriu uma oficina em Carlsfeld, na Saxônia, Alemanha, chegando a empregar até 70 trabalhadores.Em 1849 apresentou sua invenção na Exposição Industrial, em Paris, uma ferramenta baseada na concertina Uhlig:

“Formato redondo ou octogonal, com um número maior de entradas, um arranjo diferente da mesma e em que cada botão produz um som diferente dependendo da abertura ou fechamento do fole para um total de 58 tons”.

Nasceu entao o bandoneon,

mas para aquele momento seu nome ainda era "Carlsfelder Konzertina " (o que foi criado por Uhlig foi chamado simplesmente Konzertina).

Heinrich Band, era um professor de música, músico, editor e distribuidor de instrumentos musicais, viveu em Krefeld, Rheinland/Westfalen, filho de Peter Band.

Peter Band era um tecelão de seda que havia abandonado esta atividade para ser  vendedor de instrumentos musicais e violinista, aparentemente por insistência de Heinrich Geul, virtuoso violinista e maestro de uma orquestra em Krefeld o qual casou-se com Maria Gertrud Mayer, irmã da esposa de Peter band.

Do casamento de Peter Band nasceram 16 crianças, o segundo foi Heinrich Band, casado com Johanna Siebourg com quem teve três filhos.

Com a morte de seu pai, Heinrich Band herdou a loja de música e por volta de 1840 descobriu a concertina criada por Carl Friedrich Uhlig. O instrumento atraiu seu interesse, mas por causa de seu tamanho limitado, decidiu melhorá-lo.

Uma das teorias é que por volta de 1846, ele criou o bandoneon, embora permaneça a dúvida se isto tenha ocorrido em Krefeld, sua cidade, ou em Carlsfeld, já que em dezembro de 1850, Heinrich Band anunciou no jornal "Crefelden Zeitung", n. 215 de 1850/10/12:

"Para os amigos do acordeão, por meio de uma nova invenção, temos melhorado ainda mais nossos acordeões, e esses novos instrumentos, redondo ou octogonal, 88-104 tons, estão disponíveis em nossa loja, felicito-os para a substituição de instrumentos 20-88 vozes. "

Carl Friedrich Zimmerman

Contrariando a criação do bandoneon por Band está a teoria de criação por Zimmerman. Na Exposição Industrial, em Paris, em 1849, um pouco conhecido indivíduo publicou um artigo sobre a sua participação em um novo instrumento musical. O artigo diz que CF Zimmerman nasceu em Carlsfeld, Saxônia, e ele tinha ido a Paris para revelar ao mundo uma ferramenta que acabava de criar, segundo o modelo da concertina alemã.

A diferença fundamental entre o instrumento de Zimmerman, que era redondo ou octogonal e a concertina não era tanto a forma mas sim o grande número de suas entradas e da nova disposição dos botões no seu teclado. Esta nova ferramenta tem sido conhecida por sua região de origem, a fim de distingui-lo do Acordeão Uhlig, como "Carlsfelder Konzertina".

Band, enquanto pode não ter construído diretamente o instrumento, que provavelmente foi construído por Carl Friedrich Zimmerman, em Carlsfeld, na Saxônia, vendeu-os com sucesso, e mais do que isto, contribuiu para as vendas do instrumento de Zimmermann e parece ter projetado o primeiro bandoneon com 56 tons com 14 teclas bi-som de cada lado e, em seguida, um teste padrão de 64 (16 + 16) e um dos tons 88 tons (23 + 21).

Entre as atividades para a venda de instrumentos, BAND dedicou-se a várias transcrições de obras para piano adaptados para o bandoneon, como valsas e polcas compostas.

Ao mesmo tempo melhorou a notação escrita com a ADIÇÃO DE NÚMEROS de acordo com as notas e também publicou um manual de aprendizagem com base nesta "notação simplificada".

 

O nome deste manual em 1850, no entanto, ainda  era "acordeão (harmonika)".

Esta notação foi chamada de ``Waschleinensystem '' ou "sistema de fio de linho", porque a sequência de números e símbolos em uma única linha apareceu como uma seqüência de pano pendurado a partir da borda da roupa.

O nome BANDONEON/BANDONION

O termo "Bandonion" apareceu pela primeira vez em 1856 nas páginas do anuário de Krefel: "de, Concertinas Acordeão (por alguns também chamado Bandonion) " um  anúncio de instrumentos.

O instrumento também tornou-se conhecido com este nome em Hamburgo e Leipzig.  E, foi, provavelmente através destes portos, de onde partiram os bandoneons, na terceira classe, para chegar na Argentina ou Uruguai na bagagem de um de muitos imigrantes alemães entre 1870 e 1890.

O "bandonion" foi vendido com muito sucesso por Band, a tal ponto que, acredita-se que por esta razão o nome bandoneon foi resultante da fusão de seu sobrenome com o  acordeão.  O que dava ao novo instrumento uma garantia de qualidade, afinal era o "acordeão do Band".

Outra versão da origem do nome do instrumento, teria sido que o nome resultou da "União Band", que seria a empresa que vendia instrumentos musicais pertencente ao Band. Porém não foi encontrado nenhum registro da empresa entre os documentos da época.

O bandoneon apos a era BAND e ZIMMERMANN

Pouco anos depois da morte de Band, em 1860, Zimmermann, em 1864, vendeu seu negócio a um de seus empregados, Ernst Louis Arnold.

As três disposições do teclado dos três "construtores", ficou conhecida como o sistema "Rheinische" (Band), "Chemnitzer" (Uhlig) e "Carlsfelder" (Zimmerman).

No início do século, devido ao grande número de modificações introduzidas pela produção  artesanal, houve uma tentativa de unificação, e acabaram sendo criados dois sistemas, os 124 tons "Einheits-Konzertina" e os 144 tons "Einheitsbandoneon". Einheits significando padrão em 1924.

Na Argentina e no Uruguai, o sistema "Rheinische" de 142 tons se espalhou ao ponto em que, mesmo após ter sido decidido na Alemanha que o modelo final iria ser com 144 tons, continuou a ser fabricado o 142 tons para eles, objetivando não perder o mercado rioplatense que absorveu até 80% da produção.

Já em 1864 a fábrica foi rebatizada para "Ernest Louis Arnold Bandonion und Konzertina Fabrik ". Iniciou-se então a produção de bandoneon com a marca ELA, acrônimo de suas iniciais.

Em 1888, com o aumento da produção e a ampliação da fábrica usando o edifício da velha escola na cidade, aumentou o número de funcionários e melhorou os equipamentos com um novo motor de combustão para a operação das máquinas. Neste novo laboratório, expandiu ainda mais a gama de tons de bandoneon e concertinas decorando-os de uma forma refinada.

Ele morreu 31 de agosto de 1910 em Carlsfeld.

Ernst Hermann (19 de fevereiro de 1859 - 18 de janeiro de 1946) começou a trabalhar com seu pai, em 1880, como um sintonizador/afinador. Em 1882 ele se casou com Marie Köhler, com quem teve seis filhos: Otto, Clara, Martha, Paul Ernst, Carl e Johanne. O filho de Ernst Hermann, Ernst Paul Arnold tornou-se sintonizador/afinador na fábrica de seu pai.

Ernst Hermann Arnold era um empresário o qual ampliou ainda mais a empresa com um novo edifício residencial e comercial em 1903. Em 01 julho de 1930 completou 50 anos no negócio e deixou a direção da ELA para Ernst Paul. Após a morte de Ernst Paul em 1943 a empresa foi adquirida por Max Olbrich, que havia se casado com sua irmã Martha.

A casa, do lado esquerdo, e a fábrica, do lado direito.        

Alfred e Wilhelm Ernst Paul em 1911, abriram a fábrica "Alfred Arnold Bandonion und Konzertina Fabrik", começando na produção de modelos extraordinários "AA", "Premier" e, no final da "Alpha", no mesmo edifício onde Zimmermann tinha construído a primeira concertina e que foi a primeira sede a ELA. No mesmo ano, os dois irmãos investiram em maquinário elétrico, já prenunciando a dimensão industrial que tinham  intenção de dar à atividade.

Também foi introduzido, em 1912, o modelo de 152 entradas que completa a escala cromática em teclados, apesar de não ter uma grande saída.

Os irmãos Ernst Hermann (ELA) e Alfred (AA), em seguida, tornaram-se concorrentes, mas isso acabou sendo um fator extremamente positivo para o desenvolvimento do bandoneon.

O bandoneon "ELA", foi importado durante os primeiros anos do século na Argentina por Max Epperlein, um exportador de Leipzig apaixonado por Buenos Aires.

Já o "Doble A" foi importado exclusivamente por Luis Mariani.

Diz-se que Mariani foi o autor da única bem sucedida tentativa de fabricar o instrumento  na Argentina. Mas a realidade é que não foi tão simples apenas montar o bandoneon utilizando peças importadas da Alemanha. O resultado foi um obstáculo intransponível. Apesar de ser denomidado "O bandoneon argentino", aqueles que foram produzidos na Argentina foram os modelos "de estúdio" com uma única palheta para voz e placas de alumínio. A produção total foi de aproximadamente 400 unidades de 1945 a 1948. E apesar do apoio promocional de artistas como Troilo, Fresedo, Maffia, este último continuou a preferir o Arnold original.

Mas esta não foi a única tentativa:. Humberto, Brunini, Luthier em Bahia Blanca e Antonio Meschieri Rosario construiram bandoneon artesanais,  mas que em confronto com o AA não tinham praticamente nenhuma saída.

No final dos anos 80, era fácil encontrar instrumentos usados a preços baixos (graças à crise econômica na Argentina e às novas modas musicais em favor de rock). Por isso a necessidade de construir instrumentos novos foi mínima.

Superar as dificuldades da Primeira Guerra Mundial e continuar a exportação, especialmente para Argentina e Uruguai, foi muito difícil. Porém o instrumento se tornou "a voz" de um dos maiores fenômenos musicais de 1900: o tango.

O bandoneon definitivamente chegou na bagagem dos imigrantes alemães, irlandeses e espanhóis durante os anos da grande "enxurrada de migração" na Argentina entre 1870 e 1890, e de lá, passando de mão em mão, para os salões dos bairros e subúrbios e para as primeiras "orquestras típicas" (na verdade, trios, quintetos e quartetos).

Entre as lendas infinitas que surgiram sobre o assunto, conta-se que, durante a Guerra da Tríplice Aliança (Argentina, Brasil e Uruguai contra o Paraguai) um destes bandoneons que chegou em Buenos Aires, em 1862, nas mãos de um suíço, Schumacher, animou o resto das tropas na parte traseira com sua música.

O mercado sul-americano absorveu um número estimado entre 60 e 80 mil instrumentos, no período entre as duas guerras mundiais (estima-se que em 1930 25.000 bandoneons chegaram à Argentina).

A Alfred Arnold produziu mais de 120 mil instrumentos de vários modelos, tanto para exportação como para o mercado alemão, em apenas 40 anos (o valor é derivado da pesquisa sobre o número de série, já que não há registro oficial).

Em 1933 os empregados de Arnold, 100 trabalhadores, produziram mais de 600 instrumentos por mês, sendo que 85% da produção foi destinada à América do Sul.

Também para os problemas relacionados à importação exclusiva de varejistas da América do Sul,  Alfred Arnold também enviou inúmeros instrumentos "anônimos”, para grandes distribuidores como "América",  "Campo" e "Típico ". Muitas vezes,  estes instrumentos, continham os selos de Arnold escondidos.

A única produção realmente em quantidade industrial, apesar de sempre com qualidade, é a de Arnold.

A II Guerra Mundial, veio marcar o declínio total das fábricas, especialmente as de Arnold, e a consequente o encerramento da produção em massa. Cúmplices também a mudança dos gostos musicais.

A E.L.A. fábrica continuou a produção como "Klingenthaler Harmonikawerke", dirigido por Otto Arnold, filho de Ernst Hermann, no entanto, quase exclusivamente dedicada ao acordeão.

Com a separação da Alemanha, a empresa "Alfred Arnold" com a direção do filho de Paul Wilhelm, Arno Arnold, e do filho de Alfred, Horst Arnold, continuou até a expropriação final em 1949/50, a produção do "Doble A", muitas vezes chamado de "Alfa".

Carsfeld estava no leste, e a fábrica foi nacionalizada como "fábrica das pessoas" e a produção convertida para a fabricação de injetores para motores diesel.

Mais tarde, em 1950, Arno Arnold, felizmente expatriado,  realizou a abertura de uma nova fábrica na Alemanha Ocidental, em Obertshausen, a "Arno Arnold Bandonion Fabrik" que produziu o bandoneon chamado "Arno Arnold", sob a supervisão do técnico Kurt Muller, um dos oito sintonizadores do agora desaparecido "Alfred Arnold”.

No entanto, estes instrumentos, apesar das condições terem criado esperança, mantiveram-se longe da qualidade da produção do pré-guerra.

O último bandoneon foi feito em 1971. A empresa, então, fechou logo após a morte de seu proprietário, em 1971.

DANIELSON – MANO MONTEIRO

Na década de 60 houve produção de BANDONEONS no Brasil com a fábrica "Danielson" (Danielson & Goettems) de Santa Rosa – RS,  comandada por José Carlos Bastianello Monteiro, mais conhecido como Mano Monteiro. Nascido em Santa Maria / RS, começou a tocar bandoneon aos sete anos. Foi seu pai o principal motivador para iniciar seus estudos no bandoneon. Sua mãe, acordeonista, foi a primeira a mostrar as primeiras notas. A fabricação de bandoneons no Brasil ocorreu desde meados da década de 50 até começos dos anos 80. Reabrindo posteriormente e continuando com afinação e conserto.

Mano Monteiro sobe aos palcos da Bandoneon Fest Joinville, todos os anos.

Mais recentemente, na Alemanha, na Bélgica, na Itália, e na Argentina  (após o sucesso renovado de tango na Europa desde os anos 90), foram produzidos novos instrumentos.

Na Alemanha, destaca-se Dieter Klaus Gutjahr.

 Com a idade de 8 anos, ele aprendeu com seu irmão Walter a tocar o bandoneon de seu pai. Depois de completar um estágio como ladrilhador, em 1968, ele foi para Berlim. Começou a estudar música e se formou como professor de música em 1975 na Faculdade Estadual de Música (agora na Universidade das Artes). Desde então, ele trabalha como um músico.

Acompanhou, entre outros famosos, Klaus Hoffman, Erika Pluhar, Eva Maria Hagen, Hannes Wader e Wolf Biermann em concertos e em gravações. Sua paixão musical é a música barroca e tango argentino. Em ambos os estilos de música, ele pode brilhar com as possibilidades sonoras do seu bandoneon. Ele toca com os melhores músicos deste gênero em concertos e faz suas próprias produções musicais.

Enquanto estudava não eram produzidos bandoneons em todo o mundo, então ele começou a se engajar no início 1970 com a construção desses instrumentos. Em 1976 ele construiu juntamente com o construtor de órgãos Werner Baumgartner seu primeiro bandoneon. Seu trabalho como músico e seu extenso conhecimento detalhado da composição dos materiais e sua transformação na produção de seu bandoneon são únicos nesta combinação.

Klaus Gutjahr, na edição da Bandoneon Fest de 2017 torna-se o destaque no evento, vindo a Joinville para demonstrar a importância do instrumento à nível mundial e a versatilidade que o bandoneon possui, agradando público de diferentes gostos musicais ao tocar diversos estilos em seu bandoneon.

Atualmente em Joinville, o jovem bandoneonista  Daniel Quandt tem iniciado seu trabalho na construção de instrumentos, restauração e afinação, já sendo destaque no Estado de Santa Catarina pela qualidade de seus trabalhos.

 Em 2016 lançou a primeira grande amostra de seu trabalho, com uma importante exposição no Museu Nacional de Imigração de Joinville, a

“Construção e Luthieria de Bandoneon”.

Daniel representa para nossa cidade O futuro Do BANDONEON, INSPIRANDO MAIS JOVENS A APRENDER O INSTRUMENTO.

 

Calendário de eventos

Dia Dançante - 18a Bandoneon Fest

Dia 20 de maio é dia de festejar ao som do bandoneon. 5 bandas alemãs passarão pelo palco do Rio da Prata. Das 10h as 17h. Entrada Gratuita. Haverá palco alternativo para todas as demais apresentações (inscrição no dia e local do evento - gratuito).

Noite de Gala - 18a BANDONEON FEST

Queridos amigos e apaixonados por bandoneon!  Reservem dia 19 de maio em suas agendas. A 18a Bandoneon Fest promete ser inesquecível. Das 19h as 22h acontecerá no Teatro Harmonia Lyra uma noite de gala com o Show Volta ao Mundo no Bandoneon. Aguardamos todos vocês. Compartilhe essa notícia com...

Artigos

Festa do Bandoneon

Prezado Sr.Dionísio e família,   O evento da Bandoneonfest organizado por voces merece os maiores aplausos. Valorizar e criar oportunidades resgatando as tradições germânicas traz de volta a identidade forte de uma região como a cidade de Joinville. As tradições,a sua cultura e os...

Bandoneon é o seu nome!

"Nossa amizade sempre se renova nos momentos mais difíceis. nessa hora, a tua companhia me conforta, gerando energia positiva voltada à minha paz de espírito. Bandoneon é o seu nome!" Aloísio Krüger 31/10/2010

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!